ECOS DO 36º CONGRESSO BRASILEIRO DE ESPERANTO

(*)Fernando J G Marinho

Nas duas últimas semanas , deixamos de apresentar os artigos que deveriam aparecer nesta coluna em 15 e 22 de julho, respectivamente. Sem dúvidas, houve justa causa: às vésperas do dia 15 estávamos em plena atividade, tentando fazer com que o 36ºCongresso Brasileiro de Esperanto, programado para acontecer em Petrópolis, entre 12 e 16 do corrente mês, se desenrolasse com um mínimo de falhas. Na semana seguinte enfrentamos problemas de conexão com a Internet. Quanto ao congresso, é claro, que não conseguimos superar todas as dificuldades. No entanto, graças à dedicação de um reduzido número de voluntários que integraram a comissão local encarregada da sua organização , podemos afirmar que o evento foi considerado um dos melhores dos últimos anos . Cerca de 470 esperantistas efetivaram suas inscrições para participar do evento. Mais de 430 conseguiram suplantar toda a sorte de obstáculos e marcar presença na Cidade Imperial. Vários hotéis ficaram lotados. O Teatro da Escola de Música Santa Cecília durante três noites e uma manhã esteve repleto de esperantistas vindos das mais diferentes regiões do país. Momentos de muita alegria ,de emoção e de reflexões foram vividos naquela casa de cultura, não só durante as solenidades de abertura e de fechamento do congresso, como também, quando das apresentações artísticas. A brilhante oração do Prof. José Passini, ex-reitor da Universidade Federal de Juiz de Fora, abordando o tema do congresso "Essência e futuro da idéia de uma língua internacional"; a encenação de uma peça teatral pelo grupo de teatro de Pato Branco-PR; a apresentação do Coral Municipal de Três Rios-RJ; a orquestra de cordas da Escola de Música Suzuki prestando uma homenagem ao Prof. Sylla Chaves; a extraordinária interpretação da declamadora Neide de Barros Rego; o incrível Antônio Moreira Filho , com a criativa e contagiante forma de divulgar o esperanto fazendo uso do moderníssimo Rap ; o lançamento de um cartão telefônico pela TELEMAR, comemorando o grande acontecimento; a Banda Merlin, cuja popularidade vai além das nossas fronteiras, foram apenas alguns dos responsáveis pelo êxito da programação.

Nas dependências do Colégio Estadual Princesa Isabel, tivemos a oportunidade de realizar dois cursos básicos de esperanto, apreciar uma exposição de arte; estabelecer uma programação específica para crianças; manter uma sala com seções contínuas de projeções de vídeos; realizar um simpósio , tendo como tema central a tese de autoria de Zamenhof, apresentada em 1900 à Academia Francesa para o Progresso das Ciências : " Essência e futuro da idéia de uma língua internacional- Haveria algo mais a acrescentar à tese centenária de Zamenhof?" . Palestras sobre os mais variados assuntos foram proferidas, simultaneamente, na língua internacional. Eis algumas delas: " O esperanto e sua literatrura- uma visão introdutória" , " A Coréia e o esperanto" ; " Criação de valores culturais na Internet" ; " Verdades e inverdades sobre a Astrologia"; " O movimento esperantista da atualidade em Cuba "; "Como conversar e fazer amizades com estrangeiros através da Internet, a um custo reduzido".

Durante os 5 dias do congresso foram realizadas filmagens, perfazendo um total de 11 horas de gravação . Espera-se que esse material, além de servir como um documento histórico, possa , em um futuro próximo, vir a ser usado para ilustrar palestras e matérias jornalísticas.

Concluindo este relato, gostaria de manifestar o mais profundo agradecimento a todos que colaboraram para o sucesso do 36º Congresso Brasileiro de Esperanto.

E, não se esqueçam: para saber um pouco mais sobre a língua neutra internacional é só visitar a seguinte página www.esperanto.org.br .

(*) Pres. Comissão Local do 36ºCongresso Brasileiro de Esperanto

Voltar à relação dos artigos publicados no Diário de Petrópolis